terça-feira, 13 de dezembro de 2011

E se eu estiver errado?

Na ultima postagem falei um pouco sobre o ano que passou e sobre o que está por vir. Porém, esqueci de dizer que nesse ano aprendi a usar uma frase que vem me sendo de grande valia: "E se eu estiver errado?"
Essa frase me ajuda a ser mais humano, errar menos nos meus julgamentos, a ser menos duro com as pessoas, mais tolerante com as diferenças e a endender o que eu, a princípio, não entendo. Toda vez que ouço, vejo ou leio algo que não gosto, TENTO refrear meus primeiros impulsos (que geralmente não são bons, mesmo que sejam só na minha cabeça) e ponho em prática essa frase. E, confesso, só de imaginar que posso estar errado, de "batepronto" tudo já toma uma dimensão diferente. Quem puder tente o mesmo; vale muito a pena ser prudente. E, o tempo que é operante nos dará a clareza necessária para, na hora certa, formamos nossa opnião a respeito do assunto. Acredito que assim nos tornamos amigos da nossa consciência e  mais amigo dos nossos amigos.

E lembre-se:

"Os provérbios são sempre chavões até você experimentar a verdade contida neles." (Aldous Huxley - escritor inglês)

2 comentários:

Indy. disse...

Então esse foi o primeiro post do ano? rsrs...
Nada do que pensamos antes, mas com certeza, plausível.
Se as pessoas fizessem isso antes de julgar o desconhecido, é certo que haveria menos dor.

=)
Um beijo, querido.

Hamilton disse...

Eu gosto e utilizo o: “Não existe o certo“. Ele me dá a dimensão de várias perspectivas de que limitar não é prudente.